domingo, 30 de agosto de 2009

Onde você guarda seu racismo?SAPATARIA

onde você guarda seu racismo?*

Copiando de: cotidiana, número 13: auto-ajuda feminista y dicas de beleza parte 01.

diária querida,

inventei de publicar semanalmente, agora, ao invés de a cada quinzena.

ando bem ocupada – envolvida em 4 coletivos, com um emprego de 8h/dia, o máximo de créditos no meu semestre de formatura, mudança de casa, mudança de estação… por dentro ando um turbilhão de pensamentos/sentimentos/emoções-conflituosas/saudades-pegajosas/resoluções-difíceis/presenças-fantásmicas(fantásticas!), mas por fora ando bem tranqüila como todo mundo anda dizendo, e muito bonita.

bonita como sempre, porque entendi que boniteza é um tipo de destino. algumas pessoas ficam chocadas com minhas afirmações contundentes sobre mim mesma, uma altíssima auto-estima, me sinto muito gostosa e interessante e inteligente e maravilhosa e tem gente que realmente se espanta em me ouvir dizer isso, afinal, sou uma mulher gorda, que não se depila, que veste roupas com combinações lindamente esdrúxulas (muito calculadas, que sou bem vaidosa), cheia de tatuagem tosca; e afinal sou uma mulher negra – todxs sabemos que a negritude tem sido forçada a andar do lado da contra-beleza, e já escrevi sobre isso (na dicionária da confabulando).

é por isso mesmo que acredito e sinto, do fundo de meu coração negro como o coração negro que tenho tatuado no peito, do fundo de meu útero vermelho, do fundo de minha cabeça que às vezes dói de pensar, do fundo de minhas veias mas também em toda minha superfície, do fundo de meu coração cheio de saudade da minha amor, minha preta, o que sinto transbordantemente que é justamente porque a negritude tem sido o lugar por excelência da abjeção que afirmar e celebrar minha beleza contundentemente, escandalosamente, sensual e sensorialmente é ação direta contra o patriarcado racista .

quem se incomoda que se enxergue. e se veja maravilhosa também.

mulheres todas que somos, vivemos num regime patriarcal secular que tenta sufocar qualquer expressão de felicidade plena e liberdade que exerçamos. mulheres todas que somos, se não nos achamos lindas como ferramenta de luta contra esse patriarcado, o que vai nos restar pra acharmos de nós mesmas?

passei muito tempo achando que minha pele era feia, que meu corpo gordo era feio, que minha voz era feia, que o que eu pensava era feio, que o que eu sentia era feio e errado. aí eu lembro de baby suggs, recontada pela melhor contadora de histórias de todos os tempos: toni morrison. tem uma pregação que baby suggs, escravizada liberta e pregadora, faz no meio do bosque. o livro é “amada” (beloved, de 1987):

“Aqui”, ela disse, “nesse lugar mesmo, somos carne; carne que chora, gargalha; carne que dança descalça na grama. Amem isso. Amem isso com força. Porque lá eles não amam sua carne. Eles desprezam ela. Eles não amam seus olhos; eles arrancariam eles assim que pudessem. Amam menos ainda a pele de suas costas. Lá eles esfolam vocês. E oh, gente minha, eles não amam suas mãos. Essas eles só usam, amarram, acorrentam, decepam e largam vazias. Amem suas mãos! Ame elas. Levantem elas e beijem elas. Toquem outras pessoas com elas, batam palmas com elas, esfreguem elas no rosto, porque eles também não amam elas não. Vocês têm que amá-las, vocês! E não pensem que eles adoram a boca de vocês. Eles, lá fora, eles vão vê-la quebrada e vão quebrá-la de novo. O que você fala com ela eles não vão prestar atenção. O que você grita com ela eles não vão ouvir. O que você coloca nela para nutrir seu corpo, eles vão arrancar e te dar as sobras no lugar. Não, eles não amam sua boca. Vocês têm que amá-la. É da carne que estou falando aqui. Carne que precisa ser amada. Carne que precisa descansar e dançar; costas que precisam de apoio; ombros que precisam de braços, braços fortes é o que eu digo. E oh, gente minha, lá fora, me escutem, eles não amam seu pescoço livre e ereto. Então amem seu pescoço; ponham uma mão nele, façam carinho e toquem ele e o mantenham firme. E todas as suas vísceras, que eles iam usar como lavagem pra porcos se pudessem, vocês têm que amá-las. O fígado escuro, escuro – ame ele, ame ele, e o coração cansado e pulsante, amem ele também. Mais que os olhos ou os pés. Mais que os pulmões que ainda vão sorver ar livre. Mais que seu útero segurador de vida e as partes íntimas que plantam vida, me escutem agora, amem seu coração.”

cotidiana13_02_toni-morrison

auto-estima não é conversa fiada de revista feminina. é questão de sobrevivência, é ação direta contra o racismo e a misoginia, é uma arma de guerra!
nessa semana vai ser votada a ação de inconstitucionalidade das cotas que o dem ajuizou no stf. estou apreensiva mas “durmo pronta pra guerra”. salve, racionais.

nessa semana a programação do Mês da Visibilidade Lésbica de Brasília ficou pronta. estou cansada e muito satisfeita. salve, aliança sapataria e coturno.
nessa semana eu comecei cantando e acordei sorrindo. meu coração sabe porquê. é um motivo que faz rir mas também tem feito chorar. e como fico mais bonita rindo, vamos lá retomar as gargalhadas. salve, minha amor. pra você, meu olhar de infinito.

psiu. agradeço às pessoas que postaram comentários que nos permitem conversar e debater sobre racismo e ação afirmativa pro enfrentamento dele no brasil, mas às pessoas que tentam esconder a perversidade do racismo afirmando que ele não existe e querem resolver um problema racial com um disfarce raso de pobreza, galera, isso não resolve nem o racismo nem a pobreza. é contra essas vozes da dissimulação que estendo a minha. “fraternidade universal” porra nenhuma, eu quero é sororidade negra, respeito às particularidades… eu sei contra quem minha voz se eleva. cada qual que aprenda a dirigir a sua contra quem incomoda. oras!

* Por Tate, integrante da Sapataria – Coletivo de Mulheres Lésbicas e Bissexuais do DF
Publicado em:

* Uncategorized

on Agosto 24, 2009 at 11:44 am Deixe um comentário
Tags: auto-estima, lésbica negra, orgulho negro, racismo

Sorvido do blog SAPATARIA um coletivo abençoado.Vai lá,independentemente da sua opção sexual,antes de tudo, são gente,da maior qualidade e lucidez,mulheres,acima de tudo.

Enchinada

Digníssimos!
Sei que este blog está ás moscas, e vou contar porquê.
Apesar de ter viajado muito tranquilamente, a velhice exige certos cuidados, que lóóógico, não foram observados,e eu sentindo-me novinha da silva abusei da minha pobre espinha absolutamente torta, e fiquei uma semana urrando de dor no lombo abusado.
Abusado no mau sentido,que de tão dura que fiquei, meu pobre marido teve que atuar de necrófilo, coitado..(nem morrendo eu deixo de transar)
Bom, então,aqui a coisa vai sendo divertida.Sem dizer duas palavras em chinês,(só o ni hau= oi) dá pra imaginar o mimiquês correndo solto,e o mais hilário é que, quando andamos na rua, todo mundo gargalha,ou no mínimo rí.
Pra focar o quadro, um dia uma senhora disse ao meu marido que já havia visto homem com cabelo na cabeça e sem cabelo no queixo, mas, com cabelo no queixo e sem na cabeça, nunca!
Imagina o povo vendo um personagem que caiu de um livro de historia de bruxa inglês!Com tatuagem de morcego nas costas?Eles não aguentam!
Os que não riem é porque não conseguem fechar a boca.
Então, é isso, nem foto eu tirei,por pura preguiça e desmantêlo.
Volto em breve, com um texto maneiro que diz muito, que surrupiei do SAPATARIA,só estou esperando a resposta delas!
bjo!

sábado, 22 de agosto de 2009

sexta-feira, 21 de agosto de 2009




aeroporto de paris

Hong Kong

Minha vista.
depois explico.Tô acabada.

domingo, 16 de agosto de 2009

Amanhã estamos botando o pé na estrada!



Digníssimos!Beijos á todos,pois amanhã estaremos voltando para a segunda parte da odisséia na China.
Após a longa tortura que é a viagem de classe econômica,o que sobrar de mim volta a escrever neste blog.
Deixo pra vocês minha ultima descoberta(tá, nem é a ultima, mas,é publicável,rsrsrs),um blog BEM LEGAUS mesmo.tem um banner alí do lado, vai lá!

Bom,então, volto lá de Shenzen,com fotinhas do outro lado do mundo.
bjos mil, tranquilidade nas mentes e alegria nos corações de todos.

domingo, 9 de agosto de 2009

Burn the house down


davidlachapelle

Um conto

Ela nem sabia o que acontecia naquelas horas.
A ultima coisa que ela lembra, antes do turbilhão de sensações violentas, arrepiantes, exaustivas, era daquela voz.
Aquele formigamento que subia do ventre e a fazia ficar surda, gemer, e dizer coisas obscenas, sem sentido.
E aquela barba, passando em seu pescoço, é como um comando imediato para abrir as pernas, inevitável, inconsciente e automático.
O que claramente acontece nesses encontros ela não consegue lembrar, nada alem das sensações, da dificuldade de sentar,do inchaço e do ardor.
Que a faziam tomar de novo aquele caminho, como encantada, pra se oferecer de novo, pra tentar acostumar a carne, decifrar claramente o que aquele macho tem que toda vez repete o feito.

sábado, 8 de agosto de 2009

Desejo

Enquanto espero ele chegar,
fico imaginando por onde começar...
Sexy Pictures Upload Photos Funny Pics
Quais lugares vão estar disponíveis...
Sexy Images Free Pics Free Image Hosting
Free Pics View Photos Sexy Pics
E o soninho bom depois...



fotos daqui:www.imagehousing.com
Uma vez fui a Joinville e ví muita gente legal e bonita, durante um festival de dança.
http://www.diversidadejoinville.com.br/index.php

http://www.arcoirisjoinville.com.br/


Digníssimos!
Aviso que estarei bem longe desse blog a semana toda,tentando desesperadamente driblar meus filhos, o tempo, o espaço e o cansaço,para fazer sexo com meu marido em qualquer oportunidade que surgir.
Mesmo.Então é isso.Já estou com pena do coitadinho,mas não o sufuciente para deixar de assediá-lo o tempo todo,e matar a minha saudade de mais de mês!
Vai ser uma semana circense!

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Comparações...

Cruel,mas verdadeira a comparação...

Homens são como nevasca, não sabes nunca quando chegam, quantos centímetros te darão ou quanto tempo durarão.

domingo, 2 de agosto de 2009

Churumelas






É, esse blog anda jogado as traças...
Mas eu ando ralando no charco,digo, pátio pra salvar as plantinhas da reforma, e ter com o quê fazer o paisagismo da casa depois.
Pior, plantei uma mudinha de uma espinhosa e ela depois de dois anos cresceu e virou a Dona monstruosa, e deu umas 2o mudas que eu nem tenho onde plantar!A umidade não té brincadeira por aqui,suspeito que as pessoas dessa região hão de adquirir genética de sapo pra sobreviver nessas bandas de cá...
As fotos só dão idéia,pois meus fotografos preferidos não estão aqui pra registrar pra mim.
E a cachorrinha loura e linda está para adoção, aqui em floripa.Procura amor e pedigree!
As fotos são do Thiago e da tia RÔ.

NeoCounter